Conteúdo de Mandala de Touro – Primeira Parte

Touro é regido por Vênus em sua energia mais básica. Este signo possui em sua primeira instância, ou cor da personalidade o azul escuro.

A característica básica é a profundidade. Indica experiência e busca a estabilidade como algo fundamental para este signo fixo que é Touro.

Demonstra confiança, lealdade e desperta tranquilidade. Não é uma cor que em primeiro momento chame muito a atenção, pois não é ativa ou agressiva. Repare quando você olha para o céu ou para o mar o que ele sucinta? Tranquilidade não é mesmo?

Caso seja visualizado em muita intensidade pode indicar uma sensação de monotonia e frieza. No campo da saúde pode ajudar em combater o stress e muitas vezes misteriosa, dependendo  do tom, a cor azul está repleta de emoções. 

Clique no Link abaixo e você verá a mandala taurina.

https://www.pintandooito.com.br/mandala/mandala-esoterica/mandala-dos-signos-e-seus-regentes/mandala-esoterica-dos-signos-touro

Os budistas tibetanos, o azul relaciona-se com a sabedoria e com o vazio. Para a Igreja católica é o manto da Virgem Maria, o azul simboliza o desapego da vida mundana, pureza e paz. O azul mais escuro está ligado a densificação das formas. Uma tonalidade que busca purificar e limpar as impurezas do corpo.

A energia taurina esta ligada diretamente ligada ao amor e suas várias manifestações desde o seu aspecto mais possessivo até o mais altruísta. Sendo assim ninguém melhor que Vênus para retratar com plenitude essa vivência.

Para os neoplatônicos e seus intérpretes cristãos, Afrodite Urânia, ou Vênus Celestial, representa o amor espiritual, enquanto Afrodite Pandemos era associada ao amor físico. Outras concepções davam a primeira como deusa do amor lícito, matrimonial e a segunda como a do amor desregrado, principalmente com as prostitutas. 

Vênus em seu movimento possui a alternância entre o seu aspecto noturno e o seu aspecto diurno, isto confere ao planeta uma simbologia ambígua, presente na mitologia de diversas civilizações antigas. Vênus é associada tanto a divindades femininas, como Ísis, Ishtar/Astarte, ou até à Virgem Maria (Estrela da manhã, rogai por nós), como a potestades masculinas.

Para alguns povos a mudança de posição de Vênus nos céus era vista como um sinal de alteração do seu gênero, causador de transformações também no mundo.

A Estrela da Manhã era considerada masculina pela sua associação com a luz, o fogo, o poder, a guerra e as armas (recordando o papel de Ishtar como deusa guerreira), o relâmpago, o dia e o anúncio do Sol que simbolizava a capacidade de guiar os homens e os espíritos. Vênus possui fases semelhantes às da Lua e, portanto, também exibe um crescente – que é visível, em condições ideais, a olho nu.

A qualidade de Vênus Vespertina é de velar o sono do Herói Solar – proteger-lhe em seu descanso após a batalha do dia, tratar-lhe com o perfume das flores e unguentos, cuidar das feridas, responsabilizar-se por seu bem estar.

Já a estrela vespertina era feminina, associada à noite e ao amor, à fertilidade e aos seus mistérios, à velhice, à morte e ao mundo do Além. Um hino à Nana ou Innana, manifestação de Isthar, explica que a deusa é sempre a mesma, embora assuma diversas formas.

Possui uma ligação com o chacra laríngeo, ou seja, a garganta. Clique no link abaixo e conheça as caraterísticas deste chacra.

http://eumudotudomuda.com.br/quinto-chacra-o-laringeo-e-a-nossa-comunicacao/

Em próximo post iremos trabalhar a segunda cor deste signo.